Video: Marco Ferreira acusa Vítor Pereira de favorecimento do Benfica

0

Ex-árbitro diz que Vítor Pereira só lhe ligava antes de arbitrar jogos do Benfica e pedia para favorecer as águias, entre outras revelações

Em vésperas de Benfica-Sporting, Marco Ferreira denunciou, em entrevista ao jornal espanhol As, que o presidente do Conselho de Arbitragem da Federação Portuguesa de Futebol, Vítor Pereira, o contactou a pedir para favorecer o clube da Luz e que só telefonava ao árbitro madeirense antes dos jogos das águias.”O Benfica nunca falou comigo e nunca pediu para os favorecer. Mas Vítor Pereira sim.”

“Não vou dizer que o Benfica pede ao Vítor Pereira que fale com os árbitros para favorecer o clube. Não digo isso. O que digo é que ele faz isso porque sabe que o Benfica é o único clube que o apoia. Por isso, não quer que nenhum árbitro que não goste do Benfica apite os seus jogos. O Benfica nunca falou comigo e nunca pediu para os favorecer. Mas Vítor Pereira sim”, disse Marco Ferreira, segundo melhor árbitro da época 2013/14, escolhido para arbitrar a final da Taça de Portugal de 2014/15 e, posteriormente, despromovido de forma polémica ao segundo escalão, algo que o levou a deixar a arbitragem.

Marco Ferreira diz que é recorrente Vítor Pereira telefonar a árbitros antes dos jogos, mas apenas quando joga o Benfica. “Numa semana em que eu tinha um jogo do Benfica, ele telefonava a dizer que tinha que ter cuidado, que o jogo tinha que correr bem. E só o fazia antes de jogos do Benfica. Nunca me telefonou antes de um jogo do FC Porto, por exemplo. Não só a mim, mas a muitos companheiros…”, contou.
“Vítor Pereira nunca me telefonou antes de um jogo do FC Porto, por exemplo.”

O antigo árbitro madeirense prosseguiu com as críticas, que ainda não tiveram resposta de Vítor Pereira. “Eu e muitos colegas recebíamos chamadas na mesma semana em que estávamos nomeados para arbitrar o Benfica. Vítor Pereira tem muitos inimigos e opositores, entre eles as pessoas do próprio Conselho de Arbitragem e muitos clubes da I Liga. Não o querem lá. Então, o único clube dos grandes que apoia Vítor Pereira é o Benfica”, relatou.

O ex-árbitro, que esteve em duas das três derrotas do Benfica em 2014/15, citou uma conversa que terá tido com Vítor Pereira. “Nomeou-me para um Rio Ave-Benfica. Nessa semana ligou-me duas vezes, quarta e quinta-feira. Na quinta-feira disse-me que tinha que fazer um bom jogo, se não não me nomeava para o Benfica-FC Porto, que era em abril. Disse que eu tinha que ter cuidado, pois ‘eram os que se queixavam’ e ‘era o jogo do título para o Benfica’. Eu disse que não, que não era o jogo do título para o Benfica porque levava quatro pontos de vantagem, com respeito ao FC Porto. E ele contestou-me: ‘É muito diferente jogar contra o FC Porto em abril com uma diferença de quatro pontos e com uma de dois ou um.’ Isto, do meu ponto de vista, é grave, porque estava claramente a referir-se ao Benfica.

Não expulsar Jorge Jesus

Outra das revelações de Marco Ferreira terá sido que Vítor Pereira lhe pediu para que Jorge Jesus, então técnico do Benfica, pudesse ser efusivo e “ativo”, como é hábito seu, sem consequências disciplinares. “Antes do Sp. Braga-Benfica foi mais ou menos a mesma conversa. Disse-me que o jogo tinha de correr bem e que eu não devia ligar ‘caso viesse ruído do banco’. Ele disse-me isso porque, no Boavista-Benfica, expulsei o treinador do Benfica no intervalo. Vítor Pereira tinha medo que o expulsasse outra vez”, acusou.
“Os árbitros têm medo que Vítor Pereira acabe com as suas carreiras como acabou com a minha.”

Marco Ferreira insistiu que “Vítor Pereira só telefona aos árbitros antes dos jogos do Benfica, não o faz com mais nenhum clube”, e garante que já denunciou a situação “à Federação e ao Comité Disciplinar da Liga Portuguesa”, denúncia feita “na semana passada”. O ex-árbitro disse ainda que nenhum árbitro se atreve a denunciar o sucedido por medo. “Eles têm medo que Vítor Pereira acabe com as suas carreiras como acabou com a minha. Sou um exemplo para eles daquilo que se pode passar. Eu era árbitro internacional e nunca na história de Portugal um árbitro internacional tinha descido à segunda categoria”, lembrou.

Sem ofertas de clubes

O madeirense quis deixar claro que o Benfica nunca o contactou a pedir algo, “nunca!”, e que jamais recebeu ofertas de clubes. “Fui árbitro de I Liga durante nove anos e nunca o Benfica, nem sequer nenhum outro clube, algo vez me ofereceu algo para o beneficiar. Eu penso que esta é uma iniciativa do próprio Vítor Pereira com o interesse de agradar ao único clube que o apoia”, apontou.

Marco Ferreira acrescentou ainda que “dizem” que Vítor Pereira ganha “oito mil euros por mês”, “sem certezas”, e explicou o porquê de ter dado esta entrevista a um jornal espanhol. “Escolhi o As por ser fora de Portugal e ter um grande nome internacional. Assim terá mais impacto em Portugal e no resto do mundo”, explicou.

A entrevista encerra com Marco Ferreira a explicar por que acha que foi nomeado para arbitrar o Sp. Braga-Sporting, da final da Taça de Portugal. “Ele nomeou-me porque era um jogo de uma máxima rivalidade, escaldante; se eu fizesse algo de mal, já tinha um motivo para despromover-me. O problema é que fiz tudo bem e ficou sem argumentos. Fui o primeiro e único árbitro internacional da história da Madeira. Para mim fica esse orgulho.”

Share.
21