“Prefiro que o União da Madeira não fique na I Liga”, diz Carlos Pereira

0

O presidente do Marítimo, Carlos Pereira, espera que a estadia do União da Madeira na I Liga seja curta e recorreu ao passado para explicar porquê. “Não quero que fique porque os contratos.programa agora são feitos de outra forma e é um prejuízo enorme que o Marítimo está a sofrer. Ninguém gosta que falte alimentação em casa e vieram à minha casa, ao Marítimo, tirar parte do pão dos meus filhos para dar aos outros”, diz, em entrevista publicada hoje no jornal O Jogo.

O União da Madeira já reagiu nas redes sociais e no Facebook publicou a imagem relativa à entrevista, com a seguinte frase: “Juntos somos Muito Mais Fortes!”.

De resto, na entrevista, o presidente dos verde-rubros lembra a ideia do “único clube”, apresentada em 1999/2000, o que poderia fazer com que a Madeira apostasse numa equipa para chegar ao nível do Braga. “O clube único é fechar os outros e eu não concordo. O único clube é aquele que deve ser apoiado e é preciso que a região esteja envolvida mas o Funchal tem cerca de 110 mil habitantes. Se dividirmos isto por três, começa a grande dispersão do movimento associativo”, lamentou. As críticas não ficam por aqui pois Carlos Pereira considera que existe uma enorme diferença entre a ascensão das equipas madeirenses à I Liga.

“Se os clubes lá estão, foi porque alguém lhes proporcionou a condição para lá chegarem. Para atingir os campeonatos nacionais, o Marítimo não teve apoio governamental, pagou tudo do seu bolso e estamos a falar de 1973. Teve que pagar arbitragens, equipas adversárias, transportes, alimentação, estadia, tudo e, depois, todos os outros foram beneficiando dessa situação”, referiu, dizendo que o Marítimo é “um clube popular e os outros são clubes dos políticos”. Mas as “bocas” também chegam do outro lado, o que não incomoda Carlos Pereira, que responde às opiniões dos adeptos rivais (questionam, sobretudo, o benefício maritimista em relação ao estádio: “Também são tão poucos que não me preocupam. Ninguém me vai impedir de poder falar porque é a única coisa que ainda não paga imposto. Vou continuar a ser igual a mim próprio e dizer aquilo que penso”.

Neste entrevista fica claro que as relações com Filipe Silva, do União, e Rui Alves, do Nacional, não são igualmente as melhores e o presidente do Marítimo aponta o dedo aos homólogos.

“Nunca vi ninguém atirar pedras a uma árvore que não tem frutos. Se alguém atira pedras, são eles”. E é mais acintoso ainda: “Ao contrário de outros, não sou um assalariado da instituição. Sou um empresário com algum sucesso. Vou continuar a dizer o que penso”, adianta Carlos Pereira.

Share.
21