Benfica, NOS e SportTV: Uma história muito mal contada

0

Há histórias muito mal contadas. Como parece ser o caso desta que envolve a Nos, os direitos dos jogos caseiros do Benfica, a SportTV e a BTV. Porque ficam algumas perguntas muito mal respondidas. O que leva a Nos a substituir-se à SportTV na compra de jogos de futebol que só esta última pode transmitir? O que levou o Benfica a recusar, em 2013, 23 milhões da SportTV pelos seus 15 jogos na Luz – avançando para a rutura e a aventura da BTV – e a aceitar, em 2016, 27 milhões por 17 jogos (praticamente o mesmo?) O que permitiu à SportTV ir perdendo conteúdos ao longo de três anos (ficou sem os desafios do Benfica ou sem a empolgante Premier League) e esvaziando a oferta aos seus assinantes sem ter baixado, correspondentemente, o elevado preço da sua assinatura?

Percebe-se que o marketing do Benfica tenha colocado grande parte da comunicação social a cantar hossanas a um suposto negócio das Arábias de 400 milhões (podiam até falar de 1.000 milhões, admitindo que o contrato se prolongue por 25 anos), um negócio que apenas tem validade segura por três anos e por valores inferiores aos inicialmente propalados. Também se percebe que a imprensa afeta ao clube da Luz tenha feito de Luís Filipe Vieira uma espécie de Rei Midas e de águia dos ovos de ouro. Quando, de facto, Vieira terá somado perdas, de 2013 a 2016, de 15 milhões de euros com a brincadeira da BTV, em relação aos 23 milhões anuais que a SportTV lhe oferecia. Fazendo, ainda por cima, a BenficaTV regredir agora à pobre condição de canal residual e de audiências mínimas.

O que já custa mais a perceber é o que levará a comunicação social a omitir o grande vencedor deste negócio: Joaquim Oliveira, dono de 50% da SportTV (a Nos tem os outros 50%). Oliveira recupera tudo o que havia perdido para a BTV (jogos do Benfica, de Inglaterra e outros), não gastando, aparentemente, um tostão, pois a Nos chamou a si o encargo do investimento, dele dispensando o seu depauperado sócio (que já tivera que se desfazer da Controlinveste).
O que será ainda mais difícil perceber é um – já anunciado mas inaceitável – aumento da assinatura da SportTV em 2016, em troca dos mesmos jogos que oferecia há três anos. É preciso muito descaramento. E ganância.

Share.
21